Bolsonaro chama de ‘inadmissível’ alta de 39% no preço do gás natural e diz: ‘Podemos mudar essa política de preços’

Views:
4

Presidente afirmou, durante posse do novo diretor-geral brasileiro de Itaipu, que enviou um projeto de lei à Câmara dos Deputados para dar transparência a política de preços dos combustíveis. Projeto deve ser pautado em 15 ou 20 dias, segundo o presidente. VÍDEO: Bolsonaro diz que aumento do gás é ‘inadmissível’
O presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido) criticou os reajustes de preços de combustíveis e disse ser ‘inadmissível’ o aumento de 39% no gás natural anunciado pela Petrobras na segunda-feira. Afirmou que não vai interferir, mas disse que pode mudar a “política de preços” da estatal com o apoio da Câmara dos Deputados.
“É inadmissível anunciar o reajuste de 39% do gás [natural]. Que acordos foram esses? Que contratos são esses? Foram feitos pensando no Brasil pelo período de 3 meses. Não vou interferir, mas podemos mudar essa política de preços lá’”, afirmou.
Embora diga que não interfira nos preços, Bolsonaro decidiu indicar o general Joaquim Silva e Luna para substituir Roberto Castello Branco no comando da Petrobras porque se mostrou insatisfeito aumento do preço dos combustíveis.
Além da troca na Petrobras, a gestão Bolsonaro também promoveu mudanças no comando de importantes estatais. André Brandão renunciou ao cargo de presidente do Banco do Brasil e Wilson Ferreira Junior deixou o comando da Eletrobras.
Castello Branco, Brandão e Ferreira Junior eram nomes que tinham o respaldo da equipe econômica e do mercado financeiro. Não à toa a troca de comando das estatais já provocou perdas bilionárias para as empresas na bolsa de valores.
Crítica durante posse de novo diretor
Na cerimônia de posse do novo diretor-geral brasileiro de Itaipu, realizada na tarde desta quarta-feira (7) em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná, Bolsonaro afirmou que encaminhará novamente um projeto de lei que tem o objetivo de dar transparência à política de preços no país.
“Vocês [consumidores] precisam saber quanto o Governo Federal arrecada de imposto em cada combustível e quanto os governos estaduais recebem de impostos dos mesmos combustíveis. Isso é pedir muito? A previsibilidade é para vocês consumidores”, disse.
“Estou querendo interferir em uma estatal, na política de preços ou estou querendo transparência dessa estatal?”, acrescentou.
Segundo o presidente, o projeto deve ser colocado em pauta na Câmara em um prazo de 15 a 20 dias.
“Pelo projeto de lei queremos que o valor do imposto não seja único para os combustíveis em todo o Brasil, mas que seja um valor fixado em cada estado e cada governador se responsabilize, junto com o presidente, no valor cobrado de imposto de cada item”, concluiu.
Veja mais notícias da região no G1 Oeste e Sudoeste.

Curta ou Compartilhe esse anúncio
0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *